Follow by Email

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Reféns...

Todo homem é refém das suas convicções. Suas crenças são mediadoras da sua sabedoria, uma vez que expande ou limita a construção de novas aprendizagens... O homem convicto do saber, se fecha à novos aprendizados, é refém da dor que sua "sabedoria" proporciona... O homem que crê na sua ignorância é refém da falta de perspectiva e dependente da "sabedoria" alheia. ambos são manipuláveis, uma vez que são sustentados pela segurança de terceiros... O homem que crê paga o preço da sua crença...
O homem crê na vivência dos limites... Impõe-se limites para poder quebrá-los, impõem, aos outros, limites para serem respeitados, aceitam limites para serem controlados...
Todo homem é refém de suas metas... Planeja futuros como se estes não findassem à cada segundo. Os presentes se vão à cada suspiro e o homem crê nas metas como perspectivas de vida, mas não vive por definição de metas... Logo, seria prudente traçar metas para o presente... Mas também o presente também não se torna passado à cada suspiro? As metas que o home traça alimentam o seu ego, e todo homem se torna refém da ignorância, sujeito presa das crenças e metas. Ignora o presente em cada uma de suas instâncias... está sempre em construção de futuros, presente de dominações e de interesses. É, constrói, dita e aceita limites em nome da liberdade, alimenta rancores em nome da felicidade, define metas para futuros que se fazem sempre passados... o presente lhe é, por isso, ausente.
Todo homem é refém do medo... lhe importa o que tem, o que representa para a sociedade, o que demonstra ser... teme a ignorância pela ausência da vaidade e pela falta da ambição, erra pelo simples fato de temer errar, muda pelo medo da mudança... Todo homem sabe apenas aquilo no que crê, todo homem crê apenas naquilo o que sabe, delimita a sua liberdade em suas regras, delimita as suas regras de acordo com as suas liberdades... Todo homem é refém do que possui, uma vez que tem não tem liberdade, em sua liberdade, de se auto libertar...      

Nenhum comentário:

Postar um comentário