Follow by Email

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Sou mundo

O que, as vezes, me surpreende no ser humano é a sua capacidade de utilizar a sua inteligência de forma equivocada...O homem olha o mundo e o segue, inteligente ao ponto de identificar conceitos e fazer-se incluir neles. O homem não vive a sua vida, vive a vida das demais pessoas que estão à sua volta.
Inteligentemente, segue os mais vistos para ser notado... O homem segue todo o mundo, e se magoa quando esse mundo lhe nega algum direito... Inteligentemente, burro.
Tudo o que o homem vive é uma falsa ilusão de saberes, sabe apenas que precisa saber o que os inteligentes sabem... Mas esses inteligentes também tem suas sabedorias construídas por várias outras sabedorias copiadas... O homem segue o mundo, mas não consegue ser o mundo.
O homem é o mundo para a brisa que lhe toca, as partículas carreadas pelo vento se desfazem ao toque com o corpo humano. Assim também, somos o mundo para a água, que escorre em gotículas de chuva e se fazem aeradas, para cumprir a sua função de mundo, aos animais aquáticos...
O homem é o mundo para a criança carente, quando estende um sorriso em determinado instante de sua caminhada, e se o nega, é tão culpado quanto o mundo que condena. O homem é mundo perante ao pedinte, é mundo perante aos seus filhos, é o mundo perante cada célula do mundo.
Quantas vezes cobramos o mundo perante as nossas dificuldades? Mas em quantas vezes conseguimos notar que o é apenas aquela fragmentação de uma realidade fictícia da nossa inteligência? O mundo somos nós! Acordem inteligentes da Terra... Não é o meu mundo aquele que diz que eu necessito de dinheiro, o mundo sou, o dinheiro é quem necessita de mim... Não é mundo aquele que diz que eu necessito de amor, eu sou o mundo e o amor nunca deixou de estar em mim... Não é o mundo que me dita uma divindade, estou vivo, e como ser vivo, a divindade está em mim...  Não é mundo que me indica como ter segurança, a minha segurança é ser o mundo... Sou eu o mundo, interagindo com tudo... não posso me negar ao dever de zelar por tudo e por todos à minha volta, pois eu sou a parcela mais importante para que o mundo funcione... Tudo o que preciso saber é que se sou eu o mundo, nada é menos importante ao ponto de não merecer a minha atenção... Sou tão inteligente que me reservo ao direito de ser ditado, de ser guiado, de ser usado... Sou tão inteligente que me reservo ao direito de não pensar, de aceitar pensamentos pré-estipulados, são tão inteligente e, por isso,  pouco o mundo me aceita... Porque o mundo é burro, não sabe das minhas qualidades...
 A culpa é do mundo, burro, que não consegue ser mundo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário